Passar para o Conteúdo Principal
 

MoRENet em sessão sobre segurança

MoRENet em sessão sobre segurança

MoRENet

Uma comitiva da Rede de Educação e Investigação de Moçambique (MoRENet) visitou a Unidade de Computação Científica Nacional. O enfoque esteve colocado na Segurança Informática, com a partilha de experiências, durante dois dias.

Como foi criada uma equipa de resposta a incidentes de segurança? Qual o estado da cibersegurança em Portugal? E quais algumas das principais ameaças? Estas foram algumas das reflexões que estiveram na base da partilha de conhecimentos realizada na Unidade de Computação Científica Nacional, em colaboração com a MoRENet – a sua congénere moçambicana.

Conforme explicou o Diretor Executivo da MoRENet, Lourino Chemane, este workshop “visa preparar e dotar a equipa da MoRENet”, tendo em vista a “implementação de serviços de segurança de rede, de dados, de informação e dos utilizadores”, a partir de 2019.

Para o diretor executivo, para além da Unidade de Computação Científica Nacional ser um parceiro com “grande experiência nesta área”, existe uma “proximidade histórica e linguística”, bem como “similaridades entre os regimes legais”. Razões pela qual, garante, estas duas redes são “parceiros de eleição para, juntos, abordarem vários desafios”. Desenvolvimento de capacidade técnica, de recursos humanos ou promoção de ações de segurança informática são alguns dos exemplos referidos.

Outra das responsabilidades desta rede para o próximo ano será, acrescentou Lourino Chemane, “sensibilizar, educar, e promover o estabelecimento das CSIRTs nas instituições de ensino superior, de investigação e de ensino técnico profissional”. A MoRENet interliga, neste momento, 143 instituições.

O objetivo é também que, no futuro, esta colaboração se alargue a outros campos. Para Lourino Chemane, existem “muitas áreas que podem ser um espaço de colaboração”. Para além da segurança, destaca campos como aplicações e sistemas, ciência aberta ou conteúdos académicos e científicos. “Queremos aprender com a experiência acumulada pela FCCN”, reforça.

A área mais recente integrada na MoRENet é a computação de alto desempenho. Segundo destaca o diretor executivo, Moçambique e Portugal “possuem equipamento similar” e esta será uma “área nova para as duas redes nacionais explorarem em conjunto”. Depois desta parceria na área da segurança, o objetivo passará por realizar ações concretas, durante o próximo ano. “2019 será um ano de atividades”, conclui o diretor.