Passar para o Conteúdo Principal
 

Novo site da Plataforma NAU reforça aposta na formação e qualificação com cursos gratuitos

Novo site da Plataforma NAU reforça aposta na formação e qualificação com cursos gratuitos

NAU Sempre a aprender

As competências digitais são um pilar essencial da competitividade e a platafdorma NAU, com a colaboração de entidades públicas e privadas, pretende promover a produção de conteúdos relevantes, criando um ecossistema consistente e colaborativo, incentivando o desenvolvimento pessoal e profissional. Esta iniciativa tem especial relevância para que Portugal possa singrar no mundo digital, estando em linha com o programa do XXII Governo Constitucional.

 

A NAU acaba de lançar um novo site com o objetivo de reforçar a aposta na formação e qualificação dos portugueses. Esta plataforma de ensino e formação a distância para grandes audiências, agregadora de cursos online, gerida através da Unidade de Computação Científica Nacional (FCCN) da FCT, com cerca de 78.000 utilizadores registados e um conjunto de cursos disponibilizados por entidades públicas e privadas, quer continuar a crescer e a assumir-se como uma plataforma de referência para o conhecimento, desenvolvimento pessoal e profissional dos portugueses.

 

Quase a completar 18 meses de existência, a plataforma NAU reformulou o seu site (https://www.nau.edu.pt/) de modo a torná-lo mais apelativo e facilitar a pesquisa e interação com os conteúdos não só para os utilizadores, mas também para as entidades promotoras: administração pública, instituições do ensino superior (universidades e institutos politécnicos) e entidades privadas. Atualmente, a NAU conta com 15 entidades promotoras ativas, tendo como objetivo chegar às 25 no próximo ano.

 

“Fazemos um balanço muito positivo, mas com a consciência que ainda há muito trabalho a fazer, principalmente na conquista de novos promotores. A NAU é uma plataforma agregadora dos cursos disponibilizados pelas entidades, pelo que precisamos que as entidades públicas e privadas olhem para a NAU como um parceiro que lhes pode trazer grandes vantagens”, sublinha Nuno Feixa Rodrigues, vogal da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT), responsável pelo projeto NAU.

 

Lançada a 3 de abril de 2019, a NAU – Ensino e Formação a Distância para Grandes Audiências, permite agregar ações de formação disponibilizadas por entidades reconhecidas e relevantes na sociedade em formato MOOC (Massive Open Online Course) para um grande número de utilizadores, incluindo funcionários públicos. MOOC é um formato de ensino a distância aberto e acessível a todos, que permite formar um grande número de pessoas ao mesmo tempo.

 

A NAU já disponibilizou 30 cursos e gerou 120 mil matrículas, mas o objetivo é chegar aos 60 cursos por ano. Atualmente, estão disponíveis na plataforma 19 cursos, promovidos por 9 entidades diferentes, nomeadamente: Cidadão Ciberseguro e Cidadão Ciberinformado, do Centro Nacional de Cibersegurança; RGPD para Cidadão Atentos e RGPD para Implementadores na Administração Pública, do INA; Higiene das Mãos na Prevenção de Infeções, Prevenção de Infeções e Resistência aos Antibióticos e Udo Seguro e Responsável do Medicamento, da DGS; Team Canvas – para equipas mais alinhadas e produtivas, Teletrabalho em Tempo de Isolamento, da AMA; Educação Inclusiva, da DGE; Fakenews – Não Se Deixe Enganar, Fotografia e Vídeo com Smartphones e Introdução à Comunicação Digital, do CENJOR; e Igualdade de Género no Trabalho e no Emprego, do IEFP.

 

Baseada no Open EDX, um software disponibilizado pelo consórcio EDX.org em open-source, que conta com mais de 24 milhões de utilizadores em todo o mundo, a NAU pretende posicionar-se como a plataforma de divulgação e promoção de conteúdos produzidos pelas instituições de ensino superior e outros promotores nacionais, contribuindo assim para a disseminação da ciência e projeção das entidades a nível internacional neste mundo globalizado.

 

Há duas formas de acesso aos cursos na plataforma NAU: os cursos abertos, que são os mais frequentes, em que qualquer pessoa pode registar-se e aceder, sem pré-requisitos ou restrições de acesso; e os cursos fechados, menos frequentes e em que é a própria entidade promotora que indica os formandos que podem aceder ao curso.

 

Existem dois modelos de aprendizagem: o Self Paced’ (autoaprendizagem), o mais comum, em que o curso está disponível durante um período de tempo (cerca de 6 meses) e o formando pode aceder a qualquer momento e avançar ao seu ritmo, com acesso ao respetivo certificado após a sua conclusão; e o Instructor Paced’ (módulos), modelo mais usado pela Direção-Geral de Educação (DGE), em que o curso tem definida uma data de início e de fim e o conteúdo vai surgindo ao longo do tempo, geralmente de semana a semana, sendo o certificado obtido após a data final do curso.

 

Ao disponibilizar uma plataforma tecnológica independente para a disseminação de conteúdos no formato MOOC, o projeto NAU pretende colocar Portugal no mesmo patamar de outros países europeus, como França ou a Inglaterra. A nível global, excluindo a China, os MOOC atingiram os 110 milhões de utilizadores no ano passado e, só em 2019, foram criados 2.500 cursos promovidos por 450 universidades. O objetivo da NAU é, por isso, não só disponibilizar os cursos promovidos pelos parceiros especificamente para a NAU, mas também agregar aqueles que já estão disponíveis em plataformas próprias. A agregação de conteúdos de qualidade em Língua Portuguesa permite desenvolver economias de escala, maior exposição institucional, maior alcance geográfico e maior projeção junto das pessoas que estão inscritas.

O INCoDe.2030, que se perspetiva pela inclusão, educação e literacia digital, encontra na NAU um veículo de transmissão de conhecimento que contribui para maior acesso ao conhecimento, no desenvolvimento de aptidões, tornando a população mais qualificada.

Os parceiros fundadores do projeto NAU são a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), a Direção-Geral da Educação (DGE), a Direção-Geral da Saúde (DGS), a Direção-Geral da Qualificação dos trabalhadores em Funções Públicas (INA), o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e a Secretaria-Geral da Educação e Ciência (SGEC).

Tags: